Navegação

Desistir

COMPORTAMENTO

Desistir não é sinal de fraqueza

desistirnaoesinaldefraqueza

Escrevi o texto abaixo há mais ou menos dois anos, e o apaguei da minha memória. Então o reencontrei hoje e me lembrei da Ariel que eu era e a comparei com a Ariel que eu sou. Foi quando meu coração se encheu de gratidão por eu ter conseguido superar cada obstáculo no meu caminho até aqui. Deus tem misericórdia, mesmo quando eu não mereço, e me sustenta, me quebra e me refaz. Eu fui em frente e hoje eu já não me cobro tanto, hoje eu me aceito mais, eu me amo mais, hoje eu aprendi a ser. 

Não foi a primeira vez que a ideia de largar tudo, chutar o balde, passou pela minha cabeça. Eu já tive tantos sonhos, tantos planos, e fui perdendo de vista um por um. Até chegar onde me encontro agora. Nesse cômodo sem porta nem janela que é o meu pânico de viver.

Sou uma perfeccionista. Pronto, esse é o meu maior defeito: estar sempre em busca da perfeição e me exigir demais. Há quem chame de qualidade, mas só quem tem essa síndrome de querer acertar sempre sabe o peso que carrega nos ombros cansados.

Uma vez, já faz algum tempo, li em algum lugar, ou foi até mesmo um pensando, que nós somos o nosso pior inimigo. Nós, os paranoicos perfeccionistas, estamos sempre tramando maneiras de nos sabotar. Olhando daqui, isso é deprimente.

Um trabalho nunca está bom o suficiente, eu sempre acho que poderia ter feito melhor. Me subestimo, diariamente. Aquele texto não faz sentido. Aquela fotografia não vai encher os olhos de ninguém. Aquela arte qualquer criança é capaz de produzir. Nunca me dou o devido reconhecimento por todo o esforço. Sou a minha pior chefe.

Tenho pensando muito em desistir. Fugir. Mas de quem mesmo? Ah sim, do meu reflexo no espelho. Aquele sorriso sarcástico de quem diz: moça, você não tem pra onde ir. Seria simples, só mais um sonho caído no caminho que é a vida. A troco de quê mesmo? Ah, mas é claro, nada. No final é impossível fugir de si mesmo.

Não estou me lamentando, tão pouco demonstrando fraqueza. Desistir é abrir mão. Abrir mão é dar chance pro novo. Por mais assustador que o novo seja, eu me jogo de novo.

Vai, moça, vai seguindo em frente. Vai que um dia você acerta.


Me acompanhe nas redes sociais para não perder nenhuma novidade:

FacebookTwitterInstagramPinterest • Flickr • SnapChat (diariodesereia)